quinta-feira, 3 de novembro de 2011

História das cuecas !

Macharada estou vindo aqui para compartilhar com vocês esse achado que é a história das cuecas e como surgiram. Acho uma curiosidade interessante, pois muitos não tem idéia #nemeutinha de como essa peça surgiu e entrou no vestuário masculino. São vários modelos diferentes e todos têm suas explicações e regiões aonde foram/são mais usadas.


O exemplo mais antigo da roupa íntima masculina data dos homens das cavernas. São descritas por estudiosos com um longo pedaço de linho moldado como um triângulo com tiras nas pontas. Eram amarrados ao redor dos quadris e laçados por entre as pernas; depois, com as tiras, eram amarrados novamente nos quadris. No século XII, com o desenvolvimento das armaduras de platina, as faixas de linho que eram usadas como proteção contra o metal áspero começaram a ser usadas pelos cavaleiros. Desde então, estes tecidos são considerados os reais antecedentes da roupa íntima masculina. Mais tarde, as cuecas, freqüentemente amarradas abaixo dos joelhos com fitas ou alfinetes, encurtaram e foram costuradas. As roupas masculinas do século XVI eram tão brilhantes e coloridas quanto as femininas. Eram feitas de seda, tafetá e outros tecidos nobres, enquanto as roupas íntimas eram feitas de linho, pois era o único tecido lavável. Na década de 1830, as roupas íntimas masculinas feitas de flanela e algodão se tornaram comuns e muito usadas. Após a Revolução Francesa, a aristocracia inglesa tornou-se o modelo da moda masculina. O que usavam eram roupas confortáveis e casuais. Com exceção de ocasiões formais, os calções deram lugar às calças mais justas, acompanhadas de botas. Através dos séculos, alguns homens, principalmente os militares, usavam roupas íntimas parecidas com os corpetes que diziam facilitar a vida em tempos de guerra. Em 1895, o catálogo das lojas Montegomery Ward oferecia roupas íntimas masculinas feitas de algodão e flanela, mas divididas em duas peças, nas cores cinza e o bem popular vermelho. Em 1908 as lojas departamentos Sears lançaram catálogos oferecendo corseletes masculinos para militares. Os “shorts íntimos” foram as novidades que chegaram com o século XX. As cuecas passaram a ser fabricadas com tecidos e elásticos e se tornaram mais confortáveis. Ao contrário da roupa íntima feminina, que tem um aspecto mais sexy, o princípio da roupa íntima masculina é o conforto e a simplicidade, motivo pelo qual os shorts chamados ” samba-canção” se tornaram muito comuns na década de 1980. Na década seguinte a lingerie dos homens evoluiu e não está pautada só no silo (modelo tradicional), aceitou o calção de malha e todas as formas de produtos derivadas do esporte, como os modelos ciclista, boxer e shorts. Além das fibras e formato, a nova lingerie tem um corte bem estudado, com costuras invisíveis para não machucar. Para o dia-a-dia, as lingeries mais indicadas são 100% de algodão ou de outras fibras naturais como o bambu, que tem propriedades desodorizantes e antibacterianas. A cueca é a roupa íntima masculina curta e de modelagem um pouco justa, muito usado desde a década de 1930. São 5 tipos de cuecas para vocês conhecer:

Slip: também chamado de cueca propriamente dita, tornou-se muito popular no ocidente na década de 1990.




Fio-dental: é uma peça do vestuário masculino pouco conhecida e usada por brasileiros porém muito popular em países da Europa, Estados Unidos e Japão. O uso fio-dental no Brasil é atribuído a exposição sexual das mulheres e por isso o seu uso ainda não é bem aceito por homens no Brasil. Apesar de ser muito comum o uso de fio-dental por mulheres, os homens contemporâneos estão começando a aderir esse tipo específico de cueca ao dia-dia. Quebrando a ideia de roupa apelativa e de fim meramente sexual. As vantagens desta cueca estão no formato adequado ao corpo masculino, sendo mais confortável e proporcionado maior liberdade de movimento. Justamente por esse motivo o seu uso é comum por esportistas, fisioculturistas e lutadores. Várias marcas famosas produzem esse tipo de cueca, entre eles são Calvin Klein, Mash, Nike, Emporio Armani e outros.



Fundoshi: é a correspondente japonesa da cueca. Muito popular antes da Segunda Guerra Mundial, sendo usado por todas as pessoas de todas as classes sociais e idades. Com a chegada das roupas americanizada, o fundoshi saiu de moda, mas algumas pessoas ainda preferem o fundoshi pelo seu conforto e pelos seus benefícios. Durante décadas o fundoshi vem sendo usado em lutas de sumo, como traje de banho e em matsuri ( é uma espécie de Carnaval realizado no Verão em todo o arquipélago japonês). Existem vários tipos de fundoshi, mas são três os principais: rokushaku, echuu e mokko.



Boxer: ou cueca boxer é uma peça de indumentária masculina, ainda que hoje também utilizado nas mulheres. Como outras peças de vestuário íntimo, serve para tapar e e proteger os órgão sexuais. Difere da cueca, essencialmente, ao reduzir a pressão feita na zona da virilha. Pode ser mais folgada ou mais justa, dependendo do tipo de material. Muitas boxers têm uma abertura para facilitar a micção masculina, sem ter de desapertar as calças. Derivando de utilizações desportivas, são fabricadas com tecidos confortáveis e elásticos, tendo em vista a simplicidade e conforto. Os boxers foram “reinventadas” recentemente a partir da censura sobre os materiais usados na TV dos EUA, que decidiram que mostrar uma pessoa de cuecas era “indecente”; um estilista “reinventou” então o moderno “boxer-short”.


Sungão: Samba canção ou ceroula é uma cueca larga que em geral apresenta cós com elástico e braguilha. Pode ser de diversos materiais, como algodão, seda e tecidos sintéticos. Nome às vezes abreviado para “samba-canção”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário